segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Diário do Festival do Rio 2008


Madonna abre a minha seleção de filmes do festival. Isso mesmo, Madonna estréia na direção com Sujos e Sábios (Filth and Wisdom, 2008), que narra a história de pessoas que, apesar dos problemas do dia-a-dia, tentam levar a vida da melhor forma possível. O protagonista, e também a trilha do filme, fica por conta do cantor cigano ucraniano Eugene Hutz, vocalista da banda "Gogol Bordello", que já é uma figura por si só e que, inclusive, irá se apresentar no TIM Festival desse ano. É claro que, em alguns momentos ouvimos músicas da própria diretora, mas o ponto alto do filme é uma referência a Britney Spears. Até que a rainha do pop consegue surpreender com a sua estréia na direção, com uma narrativa interessante e cômica. Vale a pena conferir!

Charlie Kaufman é o roteirista dos filmes “Quero Ser John Malkovich”, “Adaptação” e “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças”. E agora ele não só roteirizou, como dirigiu a sua mais nova “viagem”, Sinédoque Nova Iorque (Synecdoche, New York, 2008). Assim como em “Adaptação”, Kaufman brinca mais uma vez com a ficção dentro da ficção. O elenco do filme é encabeçado pelo excelente Philip Seymour Hoffman, que contracena com atrizes como Catherine Keener, Samantha Morton e Jennifer Jason Leigh. E a história se desenrola através dos conflitos externos e internos do diretor teatral Caden Cotard, que acaba levando para o teatro toda a sua vida em um projeto grandioso e sem fim. Só vendo para entender, ou melhor, se confundir ainda mais!

Ah! Os irmãos Coen e suas histórias maravilhosas!! Depois de ganharem o Oscar de Melhor Filme por “Onde os Fracos Não Têm Vez”, eles nos deliciam com Queime Depois de Ler (Burn After Reading, 2008), que é uma fabulosa trama sobre aquilo que pode ser, não é, mas pode acabar sendo, dependendo do ponto de vista de cada um. Deu pra entender? O que importa é que os irmãos Coen conseguem sempre extrair uma ótima atuação cômica dos atores, sem fazer com que soem caricatos. Brad Pitt, por exemplo, está sensacional como um personal trainer imbecil que trabalha numa academia. Sem falar nas atuações, também maravilhosas de George Clooney e Francis McDormand. Enfim, é diversão inteligente e garantida, típica de uma produção assinada pelos irmãos cineastas
!

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Linha de Passe (2008)


Dizem que uma das características dos bons diretores de cinema é que eles sempre fazem os mesmos filmes, ou seja, abordam sempre os mesmos temas. O espanhol Pedro Almodóvar adora mergulhar no universo feminino, o, também espanhol, Luis Buñuel gostava de criticar a sociedade burguesa, e já o sueco Ingmar Bergman se aprofundou na complexidade do próprio ser humano. O diretor brasileiro Walter Salles traz, como um tema latente para as telas, a questão do abandono. Em Terra Estrangeira (1995), vemos a história de alguns brasileiros que abandonaram o país, em busca de uma vida melhor, em plena crise do governo Collor. Em Central do Brasil (1998), o menino Josué, que estava em busca do pai, se encontra ainda mais abandonado após a morte da mãe. Abril Despedaçado (2001), que considero sua maior obra-prima, o personagem de Rodrigo Santoro tem o desejo de abandonar a vida que leva. Até mesmo a refilmagem do original japonês, Água Negra (Dark Water, 2005), feita nos EUA, também vemos uma mulher que vive com um trauma de ter sido abandonada pela mãe. Enfim, nos outros filmes dirigidos por Walter o mesmo tema se repete.



Em Linha de Passe (2008), nos deparamos com uma família simples vivendo na cidade de São Paulo. Cleusa é mãe de quatro filhos homens e está grávida de mais um. Os três irmãos mais velhos são frutos do mesmo pai, porém o mais novo é de um outro relacionamento. E de todos, é ele quem se sente mais abandonado pelo pai ausente. Não ficamos sabendo o que aconteceu com esses homens. Se morreram, ou se simplesmente foram embora. O foco está centrado na Cleusa. Ela é quem é a figura forte e importante desse núcleo familiar. A história de cada um deles nos é mostrada de forma equilibrada e muito bem costurada. Denis, o irmão mais velho, é motoboy. Dinho se converteu a igreja evangélica e trabalha num posto de gasolina. Dario sonha em ser jogador de futebol. E Reginaldo, o mais novo, tenta descobrir quem é seu pai.


Nesse filme, o tema pertinente de Walter, que é o abandono, não está no núcleo da família em si. Pelo contrário, a mãe Cleusa faz com que seus filhos não se sintam assim. Eles sabem que ela estará sempre presente. Porém, o sentimento de abandono está em relação ao contexto sócio-econômico como um todo. Assim como essa família, outras também estão esquecidas e vivem à margem, não só da sociedade, mas também à margem de suas questões pessoais, éticas e de caráter. As pessoas estão por aí, espalhadas nas cidades, tentando sobreviver, e viver, dentro do possível. Estão passando a bola uma para outra, às vezes tem aquele que é fominha e que não quer passar logo, ou quando joga, ela vai muito longe, e parece que não se vai conseguir pegá-la, mas o esforço se faz presente e ela é alcançada, fazendo assim com que não caia. Enfim, o importante é continuar tentando e sair ileso da Linha de Passe.