quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

2012



É o fim do mundo!! 21 de dezembro de 2012. Anotem a data. E quer saber, eu não me importo que o mundo se acabe. Sinceramente, acho que esse mundo já deu o que tinha que dar, tanto nas questões que dizem respeito ao relacionamento humano: violência, corrupção, injustiça, ignorância, inversão de valores e falta de compreensão. Quanto no que diz respeito ao próprio clima do planeta: calor insuportável e chuvas que mais parecem dilúvios. É realmente de se pensar que o fim esta próximo.

O bom de quando algo se acaba, é que pode haver uma nova chance para um recomeço. Uma segunda oportunidade para nos fazer pensar no que fizemos de errado para que tudo se acabasse enfim. 2012, no entanto, não consegue fazer essa reflexão como foi feita, por exemplo, em outro blockbuster também sobre o fim de mundo, O Dia Depois do Amanhã, que aliás também foi dirigido por Roland Emmerich. Neste último, se optou pelo mote da questão ecológica. E já em 2012 se parte do mito do calendário escrito pela civilização Maia, que prevê fortes possibilidades de maremotos, terremotos e outras séries de graves problemas climáticos. Na verdade, a explicação dada no filme é extremamente vaga. Afinal, nos blockbusters catastróficos, em geral, o que importa não é muito o motivo, mas sim os efeitos especiais que sempre surpreendem pela perfeição e exageros.

E acho que realmente não seria uma má idéia que houvesse um novo recomeço. Inclusive acho que o mundo poderia começar se acabando pelo Brasil mesmo, mais especificamente em Brasília, e depois nas grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro. Bom, em 2012 há uma cena do Cristo Redentor se desmantelando (hehehe... é bem legal!). Essas grandes cidades, inclusive, às vezes, me dão a sensação que elas mesmas irão explodir. São tantos carros, tanta gente andando na rua, trânsito, moradores de rua, sujeira, barulho, poluição... aaaaarrrrghh... boomm!!! E aí alguns países, poderiam não ser afetados, como algum da Europa ou da Ásia. Os poucos que sobrevivessem teriam que ir morar nesses países e tendo como missão recomeçar suas vidas, criando novos conceitos, novos mitos e uma nova cultura. Repensar se da forma que estávamos vivendo antes era realmente o melhor para todos, para todos e não apenas para alguns.

Talvez eu esteja soando um pouco pessimista, confesso, mas o mundo atual nos leva cada vez mais a crer que não há solução para determinadas coisas. Parece que estamos constantemente dando socos em pontas de facas. Os governantes, os empresários e todos que detêm o poder parecem realmente pretender acabar não só com o mundo, mas também com o antigo e esquecido conceito de certo e errado, com a nossa liberdade, independência, criatividade, solidariedade, individualidade, respeito, enfim com toda a essência pela qual nos identificamos como seres humanos, se é que ainda nos identificamos como tal. E o oposto disso tudo é só o que constantemente vemos e vivenciamos. As coisas estão cada vez mais difíceis para todos, e no entanto, se vende a ilusão que tudo está melhorando e vai melhorar ainda mais. Acho isso uma grande mentira! Tenho pena da nova geração de pessoas que terá que enfrentar um mundo que parece não mais caber em si: disputa de vaga para se conseguir estudar, trabalhar, e quando se consegue, ainda tem que sobreviver com um salário baixo, contas, dívida, e por aí vai. Por essas e por outras, é que penso que só um recomeço pode salvar um mundo e a nós próprios, portanto... que venha 2012!!