quinta-feira, 14 de outubro de 2010

VIP'S



Segundo uma teoria da Psicologia, a definição de quem somos seria a soma de três fatores: aquilo que pensamos que somos + aquilo que os outros pensam que somos + aquilo que pensamos que os outros pensam que somos. No caso de Marcelo Nascimento da Rocha, podemos dizer que ele fez uso dessa soma de uma forma, ao mesmo tempo, inocente e ambiciosa. A história dele é tão curiosa que gerou um livro escrito pela roteirista e escritora de obras infantis, Mariana Caltabiano, e ainda dois filmes, ambos exibidos no Festival do Rio 2010: o documentário Histórias Reais de Um Mentiroso e a ficção VIP’S, estrelada por Wagner Moura, que inclusive levou o prêmio Redentor de Melhor Filme e Melhor Ator.

O roteiro de Vip's ficou por conta de Bráulio Mantovani (Cidade de Deus, Tropa de Elite, entre outros), que mais uma vez demonstra um total domínio e inteligência ao transformar a narrativa literária em narrativa cinematográfica. A forma escolhida por Mantovani consegue surpreender e emocionar ao revelar toda a complexidade desse curioso personagem, que é interpretado brilhantemente por Wagner Moura. Ele consegue, diante dos nossos olhos, se passar por um adolescente na escola e ir crescendo e se transformando nas múltiplas personalidades do Marcelo.

O protagonista de Vip’s consegue convencer várias pessoas de ser quem ele não é. Isso só é possível porque a mentira está mais no fato de que todos acreditam na sua interpretação, ou seja, ela está mais nas mãos dos outros do que na sua própria. Afinal, como alguém conseguiu se passar por 16 pessoas diferentes? Ele já foi policial, bandido do PCC, guitarrista de banda, campeão de jiu-jitsu, e, o mais famoso caso de todos, filho do dono da GOL. Tal fato ocorreu durante o Recifolia, em que Marcelo foi parar na área vip, usufruindo de todas as mordomias. Tanto que chamou a atenção do repórter Amaury Jr., que estava presente registrando o evento. Esse momento foi mostrado no filme, inclusive com a participação do próprio Amaury. Vale a pena também conferir a entrevista verdadeira: http://www.youtube.com/watch?v=wfJ3OXwSfDU.

A definição de mentira, segundo o dicionário, é: “Afirmação contrária à verdade; Falsa persuasão, juízo falso; Fábula, ficção”. Já a definição de verdade é: “Concepção clara de uma realidade; Conformidade das coisas com o conceito que a mente forma delas”. Sendo assim, podemos considerar que A Verdade Absoluta não existe, ela está no subjetivo de cada um. Está ligada a uma realidade que pode ser criada de acordo com aquilo que se acredita e que faz com que os outros acreditem. O diretor dinamarquês Lars Von Trier, em seu filme, Os Idiotas, também abordou a questão de pessoas se passarem por quem não são. O filme narra a história de um grupo de pessoas que fingem ser doentes mentais, ou seja, realmente idiotas. Nesse caso, a intenção da mentira é provocar reações em outras pessoas, e não tanto para benefícios próprios. Diferente de Marcelo que não só tira vantagens, como acredita veemente em suas próprias mentiras.

Mentiroso compulsivo, doente, múltiplas personalidades, ou simplesmente um grande picareta. Seja qual for a verdade sobre as mentiras do Marcelo, confesso que simpatizei com ele e com tudo que ele provocou. A sua conduta nos leva a refletir que, com certo empenho, é possível desconstruimos a realidade de nossas vidas e reformularmos os nossos objetivos, crenças, tabus, paradigmas e tudo aquilo que, às vezes, consideramos intactamente verdadeiro.